fb-no-script
CANCELAR






Como estudar raciocínio lógico para concursos de Tribunais

Confira os principais assuntos cobrados em prova, dicas de estudo e indicação de bibliografia

20/11/2017 - por Jairo Teixeira

Inicialmente, todo mundo que começa a estudar para concurso público acaba gerendo um pouco de receio por conta da quantidade de assuntos em meio ao vasto conteúdo exigido nos editais.

Entretanto, é importante saber que dividindo bem as disciplinas e o seu tempo, além de sua determinação, é claro, dá para se preparar bem antes da prova. Para isso, você precisa se organizar antes de começar a estudar efetivamente. 

Se você vai prestar concurso para área de tribunais, por exemplo, vale a pena checar alguns pontos importantes como os assuntos mais cobrados nos editais anteriores e a banca examinadora do certame.

Eu acredito que a melhor maneira de estudar Raciocínio Lógico para Tribunais é dividir o estudo em três etapas:

  1. Na primeira etapa, você deve procurar um curso teórico, completo, onde o professor possa explanar toda a teoria exigida nos principais concursos para tribunais. Nessa etapa, o seu objetivo é compreender todos os conceitos, propriedades, enfim, entender o que é a disciplina e de que forma ela costuma ser cobrada.
  2. Na segunda etapa, você deve buscar um curso de resolução de questões, onde você possa assistir ao professor resolvendo questões sobre todo aquele conteúdo que você aprendeu no curso teórico. É importante, e faz parte do processo de uma boa aprendizagem, ver alguém fazendo aquilo que lhe será cobrado mais tarde. Nessa etapa, você deve estar atendo ao raciocínio seguido pelo professor em cada questão. Porque ele tomou aquele caminho, porque ele usou aquele conceito, e assim por diante.
  3. Na terceira etapa, é chegada a hora de “colocar a mão na massa”! Agora você deve buscar questões de provas anteriores para que você possa resolvê-las. Para isso, é fundamental ter a assinatura de algum site de questões (existem vários na internet) e organizar o seu material. Procure filtrar as questões por conteúdos, cargos ou nível, de acordo com o seu interesse. A essa altura, você já deverá ter uma certa autonomia para resolver questões e poderá seguir com sua preparação.

 

Dicas

Se o concurso que você irá prestar já tiver a banca definida, concentre-se em questões desta banca. Dê preferência as questões cobradas nos últimos 3 ou 4 anos. Isso vai lhe dar uma boa ideia de como aquela banca vem cobrando os conteúdos em suas últimas provas. Será uma espécie de retrato fiel do seu concursos.  Entre nessa peleja com muita garra e determinação, que as conquistas virão como consequência!

 

Principais assuntos que costumam cair:

A disciplina de Raciocínio Lógico é bem ampla em relação aos assuntos normalmente cobrados em provas. Aliás, dependendo da banca organizadora, os conteúdos programáticos podem ser bem diversos. Mas de uma maneira geral, há um núcleo comum com os principais assuntos que estão na maioria dos concursos. São eles:

a) Estruturas lógicas: este capítulo vai desde o conceito de proposição lógica até o estudo dos argumentos. Compreende, portanto, a lógica proposicional e a lógica de argumentação. Os principais tópicos são: proposição lógica, proposições simples e compostas, operadores lógicos, tabela-verdade, classificação das proposições compostas (tautologia, contradição e contingência), equivalências e negações; quantificadores lógicos, diagramas lógicos e argumentos. Este capítulo está em praticamente todos os concursos para tribunais.

b) Problemas de raciocínio lógico: esse é um capítulo essencialmente prático. Sua preparação é basicamente através de resolução de questões. Não há, portanto, quase teoria alguma para se estudar, e o bom desempenho depende muito do seu raciocínio. No entanto, um aspecto facilitador é que os tipos de questões estão, de certa forma, mapeados de acordo com os seguintes itens: associações de informações, sequências lógicas, problemas com verdades e mentiras, orientação espacial, raciocínio temporal, o princípio das gavetas e raciocínio matemático (básico).

Um detalhe a se observar é que muitas questões desses tópicos podem ser resolvidas por um candidato que nem assistiu a um curso, visto que, como falei, não há uma parte teórica a se estudar. No entanto, a prática em resolvê-las, a habilidade em chegar mais rápido à solução farão a diferença a seu favor. Tem muita coisa aqui que, se você não vir antes, terá enorme dificuldade em acertar. Pode até conseguir, mas dificilmente fará num tempo satisfatório. Costumo dizer para os alunos que, neste capítulo, o que conta muito é a experiência que o candidato tem em relação a esses tipos de questões. Este capitulo está principalmente constante nos editais dos concursos organizados pela Fundação Carlos Chagas, que é uma das principais organizadoras de concursos para tribunais.

c)   Raciocínio lógico matemático: este talvez seja o mais temido de todos! Como você sabe, muitos candidatos apresentam enormes dificuldades em matemática, desde a época da escola, e isso, sem dúvida, irá impactar em seu desempenho aqui. Não há como negar. Daí você avalie a importância de um curso preparatório bem feito. É no curso onde você irá suprir suas dificuldades e entrar no certame em condições de igualdade. Neste capítulo, os principais conteúdos estão divididos em dois blocos, a depender do concursos. O primeiro bloco traz conteúdos da matemática básica, com destaque para os conjuntos numéricos, razão e proporção, porcentagens e equações de primeiro grau. Já o segundo bloco traz conteúdo do ensino médio, como análise combinatória, probabilidades, operações com conjuntos e problemas envolvendo raciocínio lógico aritmético, geométrico e matricial. Este segundo bloco costuma estar presente, principalmente, em concursos elaborados pelo CESPE/UnB.

 

Indicação de bibliografia

Hoje em dia, há uma vasta bibliografia no mercado. Mas eu não poderia deixar de indicar a minha obra “Descomplicando o Raciocínio Lógico” pela editora Armador. A coleção “Item a item – para tribunais” da mesma editora também traz uma contribuição nossa para esta disciplina. Mas não esqueça que uma parte de sua bibliografia é você quem vai montar! Sugiro que você gaste um tempo (uma manhã, quem sabe!) filtrando nos sites de busca as questões de provas passadas. Em termos de questões, esse é o melhor material que você poderá encontrar.

 

Preparação

Se você ainda estiver precisando de ajuda, vale a pena conhecer as nossas isoladas de Raciocínio Lógico. Confira:

A primeira é para você que já decidiu que vai concorrer a um cargo de Analista em concurso da área de Tribunais:

 

 

 

 

A segunda é para quem ainda não possui base na disciplina, mas deseja se preparar para concursos em geral: